Estação Ferroviária de Sernada do Vouga

Estação Ferroviária de Sernada do Vouga

Encerrada em 01 de Janeiro de 1990, a Linha do Vouga ou Linha do Vale das Voltas, fazia a ligação ferroviária entre Sernada do Vouga e Viseu numa extensão de aproximadamente 79Km. Em Outubro de 2009 surge, pela autarquia de Oliveira de Frades, a proposta de requalificar a linha em ecopista, prevendo a requalificação das estações e apeadeiros.

Chegámos a Sernada do Vouga perto das 10h e não abrimos mão da primeira experiência gastronómica: café e sandes de rissol na estação de Sernada do Vouga. Assim que sentimos o estômago reconfortado, partimos rumo ao quilómetro zero da ecopista num trilho de terra batida com extensão aproximada de 5Km. Após a indicação do quilómetro zero o piso passa a asfalto com sinalização horizontal e vertical

Túnel da Linha do Vouga

Túnel da Linha do Vouga

Estação de Paradela

Estação de Paradela

Embora com um declive que se faz notar, a progressão nos primeiros quilómetros da ecopista faz-se sem grande esforço físico, em particular no traçado que foi requalificado.

Uma constante do percurso são os túneis, todos eles marcados pela presença longínqua do carvão/vapor como fonte de energia. Nalguns, à parte a ausência doutro tipo de sinalização, existe à entrada a advertência de queda de blocos.

Durante grande parte do percurso é possível vislumbrar o rio Vouga para lá da vegetação, numa paisagem montanhosa como moldura.

Traçado da Linha do Vouga

Traçado da Linha do Vouga

Vista do Rio Vouga

Vista do Rio Vouga

Outro elemento bastante comum nesta linha são as pontes, sendo nalgumas ainda possível vislumbrar vestígios dos carris. Sem exceção todas elas se apresentam em bom estado de conservação, não apresentando qualquer risco.

Ponte Ferroviária Linha do Vouga

Ponte Ferroviária Linha do Vouga

A única paragem para “reabastecimento” foi feita em Pinheiro de Lafões cujo nome me conduziu imediatamente para a ideia de um possível almoço de Vitela à Lafões. Mas muito havia ainda por andar.

A próxima paramge: São Pedro do Sul e que grande surpresa.
Quando fui desafiado para esta aventura olhei vagamente para o mapa e não interiorizei que iria passar em São Pedro do Sul onde no mesmo mês, Maio, mas de 2015 havia estado e cuja passagem me deixou as melhores recordações.

Ponto Ferroviária - São Pedro do Sul

Ponto Ferroviária – São Pedro do Sul

Locomotiva CP E202

Locomotiva CP E202

Daqui em diante e devido às condições climatéricas que antecederam o nosso passeio, a progressão foi muito mais exigente, mas também mais divertida. Nesta fase do percurso houve a registar uma queda aparatosa, felizmente sem consequências dignas de registo e que foi motivo de “risota”.

A primeira parte do dia ficou cumprida quando chegámos a Travanca da Bodiosa onde almoçámos um belo cabrito assado mesmo junto à antiga estação agora ocupada por uma Associação columbófila.

Estação Travanca e Bodiosa

Estação Travanca e Bodiosa

Recarregadas as baterias, a parte da tarde foi em asfalto (N16) de regresso a Sernada do Vouga onde havíamos deixado os carros.

Este é sem dúvida um percurso que vale a pena realizar num dia de primavera, pela comunhão com a natureza e paisagem envolvente.
Embora haja traçado de ciclovia, a maior parte do trajecto não foi ainda requalificado e portanto é “todo-o-terreno” o que, dependendo das condições climatéricas da época, se torna mais exigente fisicamente.

A rota completa está disponível no wikiloc.